Adquiri um cachorro. E agora?

Atualizado: Fev 28

Quando adquire um cachorro, tem de estar preparado para os comportamentos típicos de um

cão bebé. Tais como, roer bens materiais, fazer as necessidades fisiológicas em casa, alto nível

energético, saltar para cima das pessoas para cumprimentar, saltar para cima das mesas,

tentar roubar comida, puxar à trela, medo de coisas estranhas para o cão, ladrar para pedir atenção, entre outros. Tudo isto pode ser corrigido ao ensinar comportamentos alternativos. Mas como?

Em primeiro lugar, a consistência é fulcral no treino canino. Isto significa que, se não deixo o

meu cão subir para cima do sofá, nunca o posso deixar. Nem mesmo naquele domingo de

inverno em que estou a ver um filme e em que me apetece a companhia dele. Para alguns cães, basta permitir uma vez para que voltem a experimentar várias vezes. Eles estão a experimentar, é certo, mas qualquer tutor sem conhecimento de comportamento canino vai desmotivar ao ver o seu cão a fugir às regras impostas e, a partir daí, a probabilidade de falhar em impor regras vai ser maior, pois vai ter uma sensação de que não está a ter resultados no ensino.

Em segundo lugar, reforce os bons comportamentos! Passamos horas a dizer “Não” ao nosso cão e esquecemo-nos que não falamos a mesma língua, não somos da mesma espécie e que, por isso, ele não sabe o que está certo ou errado. O seu cão não sabe que no mundo dos humanos não se deve roer sapatos, fazer xixi em casa, ou ladrar para pedir comida. Mas, o seu cão também não sabe que os humanos gostam que ele esteja deitado na sua cama, em silêncio a relaxado. Os reforços servem para dizer ao cão “Muito bem! É isso que eu quero que tu faças!” e, com eles, conseguimos aumentar a frequência de comportamentos desejáveis (deitar, sentar, olhar para o tutor) e diminuir a frequência dos comportamentos indesejáveis (ladrar, mordiscar as mãos do tutor, puxar à trela).

Em terceiro lugar, o cão não sabe quando está em treino ou não. Ou seja, para ele todas as interações são importantes, todas valem o mesmo. Tire 5 minutos todos os dias para treinar alguns comportamentos, mas use o dia-a-dia e todas as interações que tem com o seu cão para reforçar aquilo que quer que ele faça com mais frequência e ignore aquilo que não deseja que ele faça para que esse comportamento se extinga.

Para além disso, procure informar-se através fontes fidedignas e não, apenas, vídeos do Youtube ou programas de televisão que não vão de acordo com a ciência do comportamento e aprendizagem canina.

Evite castigar o cão ralhando ou batendo. A maior parte das vezes, ele não vai associar o castigo à "asneira" e a sua relação com o seu cão vai degradar-se. Um boa educação faz-se a partir duma relação de confiança de ambas as partes. Em vez de utilizar aversivos, retire uma coisa que ele tenha de bom nesse momento, como por exemplo, a sua interação. Por exemplo, se estou a brincar com o meu cão e ele me morde a mão, eu saio da sala por 1 min. Assim, ele vai compreender que se voltar a morder, a brincadeira vai acabar novamente.

Se mesmo assim, não conseguir educar o seu cão procure ajuda profissional, procure um profissional qualificado que apresente com orgulho a sua formação e que faça uso do reforço positivo para treinar o seu cão.

Bons treinos!

Frederica Caneiro Dip.TC-Dogga

Happy Dogs Academy


24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo